Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica lança campanha digital de combate à Fake News

Ação tem por objetivo instruir pacientes sobre os riscos da escolha por profissionais sem formação em Cirurgia Plástica e desmitificar as propagandas milagrosas de “antes e depois”

Com o objetivo de conscientizar a população sobre os riscos de realizar cirurgias plásticas e outros procedimentos estéticos invasivos com profissionais não qualificados e sempre preocupada com a segurança do paciente, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) lança em suas redes sociais e canais de comunicação, a campanha “Cirurgia Plástica: não existe milagre. Existe estudo, técnica e especialização!”. Com o conteúdo baseado em publicações abusivas de não médicos ou não especialistas, que fazem propagandas de cirurgias plásticas como se fossem objetos simples de consumo e acompanhando os crescentes casos de deformações em pacientes, muitos deles indo a óbito, a SBCP quer orientar a população sobre como identificar as fake news espalhadas principalmente pela internet.


Resultados milagrosos como são divulgados na internet, os famosos “antes e depois”, não existem. “Além de ser uma conduta proibida a médicos, os profissionais que realizam indevidamente certos procedimentos, expõem pacientes com o uso de imagens não apropriadas e ainda espalham fake news com o intuito de seduzir novos clientes com promessas irreais, sem o mínimo de preocupação com a segurança do paciente”, afirma o presidente da SBCP, Dr. Dênis Calazans. Ele explica o posicionamento da Sociedade em criar a campanha: “É necessário que a população entenda como deve ser a verdadeira publicidade médica, feita com responsabilidade e ética. Para que ninguém mais caia em propagandas enganosas colocadas nas redes sociais”, alerta.


Importância da boa escolha do profissional e do local da cirurgia


Metade do sucesso de um procedimento médico está na boa relação médico-paciente. “A escolha do profissional que fará a cirurgia deve ser criteriosa. É importante estar atento à formação, ao currículo e conhecer a carreira deste profissional. Essas informações não são conseguidas, pelo menos com credibilidade, apenas por meio de redes sociais”, alerta o presidente da SBCP. Ele complementa que em suas redes sociais ou sites, cada um pode se apresentar como quer, existindo, inclusive, muitos perfis falsos.


Outro fator importante para a segurança do paciente é onde será realizado o procedimento. Muitas complicações cirúrgicas têm relação direta com a escolha do local, que deve ser certificado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e possuir todos os equipamentos e recursos para as intercorrências que, porventura, possam acontecer. O paciente deve colher o máximo de informação sobre o local em que realizará a cirurgia e, se possível, até visitá-lo previamente.


A campanha “Cirurgia Plástica: não existe milagre. Existe estudo, técnica e especialização!” contará com vídeos de entrevistas com diversos especialistas sobre os riscos da realização de procedimentos com profissionais sem formação em Cirurgia Plástica; postagens semanais em suas redes sociais sobre o processo de tratamento, manipulação de imagens (truques como: ângulo, iluminação e maquiagem usados por profissionais não médicos); duas lives para o público e tutoriais com informações relevantes de como escolher o cirurgião plástico para uma cirurgia plástica mais segura.


Ficha técnica
Campanha: ‘Cirurgia Plástica: Não existe milagre. Existe estudo, técnica e especialização!

Agência: Selles Comunicação

Cliente: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP)

Produto: Institucional

Veiculação: Instagram: https://www.instagram.com/sbcpoficial/?hl=pt-br e Facebook: https://www.facebook.com/sbcpoficial

Landing page: https://www.naoexistemmilagres.com.br

Vigência: Até dezembro de 2020


Você sabia que não apenas médicos, mas pacientes também não podem publicar fotos de antes e depois?
Segundo a resolução CFM 1.974/11 (artigo 9), o médico deve evitar sua autopromoção e sensacionalismo, preservando, sempre, o decoro da profissão. De acordo com o documento, entende-se por autopromoção entre outras coisas, a utilização de entrevistas, informações ao público e publicações de artigos com forma ou intenção de angariar clientela; pleitear exclusividade de métodos diagnósticos e terapêuticos; permitir a divulgação de endereço e telefone de consultório, clínica ou serviço. E segundo o manual de publicidade médica, sensacionalismo é entendido por a divulgação publicitária, mesmo de procedimentos consagrados, feita de maneira exagerada e fugindo de conceitos técnicos, para individualizar e priorizar sua atuação ou a instituição onde atua ou tem interesse pessoal; Utilização da mídia, pelo médico, para divulgar métodos e meios que não tenham reconhecimento científico; usar de forma abusiva, enganosa ou sedutora representações visuais e informações que possam induzir a promessas de resultados, ou seja, a publicação de modo reiterado e/ou sistemático, de imagens mostrando o "antes e depois". É importante também ressaltar que o médico não pode permitir que o paciente poste essas imagens e divulgue o seu trabalho. Na resolução também proíbe a publicação nas mídias sociais de autorretrato (selfie), imagens e/ou áudios que caracterizem sensacionalismo, autopromoção ou concorrência desleal. Ou seja, o médico precisa ser extremamente criterioso ao publicar selfies em suas páginas de trabalho.

 

INFORMES PUBLICITÁRIOS