Criação da UNIFACC-MT amplia oferta de educação católica em Mato Grosso

Seguindo uma tendência verificada nos grandes centros do país e nas principais cidades do mundo, que já possuem grandes instituições com foco na educação baseada em valores e princípios católicos, o estado passa a contar com a União das Faculdades Católicas de Mato Grosso (UNIFACC-MT). Ela faz parte de um projeto de expansão cujos reflexos se estenderão pelos próximos anos abrangendo grande número de cidades. O resultado será um substancial aumento de vagas e de variedade de cursos e formações à população, tanto na graduação como na pós-graduação, passando pela extensão universitária, seja nas modalidades presencial ou à distância.

A UNIFACC-MT nasce a partir de uma celula mater, a Faculdade Católica de Mato Grosso (FACC-MT), de início denominada SEDAC, que se une às recém-adquiridas Faculdade Cuiabá (FAUC - Cuiabá), Faculdade Cândido Rondon (FCR - Cuiabá) e Faculdades Integradas Desembargador Sávio Brandão (Fausb - Várzea Grande). Juntas, elas representam hoje um universo de cerca de 1700 alunos, entre graduação e pós-graduação, com projeção de chegar a 2000 já em 2021, de acordo com projeções da direção. Pe. Dr. Rosimar José de Lima Dias, coordenador do curso de Filosofia, destaca que o projeto de expansão está em sintonia e alinhado com as preocupações e propostas do Sínodo da Amazônia e da Constituição Apostólica Veritatis Gaudium do Papa Francisco.

A FACC-MT, que iniciou as atividades em 1999, com a intenção inicial de formar o clero católico da CNBB, com o tempo ampliou e diversificou a oferta de ensino. O padre Ms. Edson Sestari, diretor geral da instituição, explica que havia um projeto de expansão local, que era baseado no aumento da infraestrutura no próprio Cristo Rei, em Várzea Grande, onde fica a faculdade. A ideia era abrigar ali mais cursos, como os de Direito, Design de Moda, de Agronomia, entre outros. Mas havia uma discussão bastante avançada, conta ele, de fazer a FACC-MT presente também em outras cidades. E até houve algumas negociações para aquisições, mas sem sucesso, lembra.

Em 2020, com possibilidades concretas de aquisição da FAUC, FAUSB e FCR, a direção mudou de estratégia. Não mais investiria no aumento da infraestrutura do polo, mas sim uma expansão para outros pontos dentro da região, ganhando assim mais celeridade. Além do fato de estarem à venda, contou também na decisão, segundo Pe. Edson, serem instituições que demonstravam ter perfis que garantiriam a unidade da educação católica dentro do estado idealizada pela direção da FACC-MT.

A certeza veio, revela o padre Dr. Carlos Viana, coordenador do curso de Teologia, quando os antigos donos disseram estar contentes com o negócio. Pois poderiam, enfim, vendê-las a alguém que fosse dar continuidade à missão proposta originalmente pelas instituições. “Havia um alinhamento de princípios, de valores, de visão”, complementa Pe. Edson. “Não eram instituições que estavam distantes do que nós acreditamos. Nós percebemos que elas se enquadravam, que elas tinham uma construção baseada no que a Faculdade Católica acredita”, reforça o consultor institucional Dr. César Augustus Winck.

O diretor geral, Pe. Edson, informa que, após a FACC-MT assumir, iniciou-se um processo de transição, que está em andamento, com a participação dos antigos donos no processo. “Nós já estamos inseridos nas instituições. Depois de cuidar da parte administrativo-financeira, começamos com o processo da transição pedagógica”, conta. Em princípio, não haverá mudanças estruturais significativas, apenas de comunicação visual, para que todas tenham a mesma marca, um importante passo para deixar claro o sentido de unidade do projeto, acrescenta.


Oferta educacional

Outra mudança, esta bastante significativa e que ocorre desde já, é a incorporação de serviços adicionais nas novas unidades. “Criaremos polos de educação a distância em parceria com a Universidade Católica de Brasília e ofertaremos mestrados e doutorados. Serão seis programas de mestrado e quatro de doutorado que a União das Faculdades Católicas de Mato Grosso vai oferecer de imediato para o estado”, comemora Edson. O EAD será ofertado em cinco cidades: Cuiabá, Várzea Grande, Nova Mutum, Campo Verde, Sinop, Tangará da Serra e Sorriso (as duas últimas ainda em processo de implantação).

César destaca ainda a abertura de novos cursos de graduação, que já começaram a ser planejados e se iniciam a partir de 2021. “Nós temos um curso de tecnólogo de Design de Moda que vai ser ofertado em breve. Temos uma leva de cursos para serem implantados em todas essas nossas quatro faculdades”, garante o consultor.

A inserção na comunidade que já é feita pela FACC-MT também será ampliada, ressalta César, como a prestação de serviços de Psicologia, dos núcleos de prática jurídica e a disponibilização de laboratórios, entre outros. “Vamos ampliar a oferta também de especializações e os projetos internacionais que temos parcerias, com a Universidade de Salamanca e com a Faculdade de Granada, na Espanha. Isso vai permitir intercâmbios, cursos com certificação internacional e, ainda, um centro de idiomas dentro de uma dessas instituições”, adianta Edson.

César Winck faz questão de frisar que não se trata de uma universidade, e sim uma união de faculdades católicas, mas os planos seguem no sentido de conquistar esse título. “A preocupação nossa do ponto de vista de infraestrutura, com um olhar de longo prazo, é que construamos de fato a nossa própria universidade, sonhando em se tornar a Pontifícia Universidade Católica de Mato Grosso”, complementa Edson.

 

INFORMES PUBLICITÁRIOS