Meninos mobilizam vizinhos e aumentam coleta de recicláveis

Rafael Koehler Puppato tem 11 anos e é aluno do quinto ano do ensino fundamental do Centro Educacional Paulo Freire, em Campo Verde (a 140 km de Cuiabá), escola onde está sendo desenvolvido o piloto do Projeto Recicla Verdinho, cujo objetivo é desenvolver uma mudança de hábito entre a população, despertar a consciência ecológica, mudar hábitos alimentares e fomentar a agricultura familiar.

O projeto foi construído pela prefeitura municipal através de parceira com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas em Mato Grosso (Sebrae/MT), no âmbito do programa Cidade Empreendedora e Sustentável – eixos Sustentabilidade e Fortalecimento da Agricultura Familiar -, tendo como braço financeiro cooperativa Sicredi Vale do Cerrado.

Desde que começou o projeto, Rafael e os irmãos Miguel e Gabriel têm se empenhado na coleta de garrafas pets e latas de alumínio. Todos os sábados os materiais recolhidos são trocadas por vouchers, chamados Verdinhos, que são utilizados na aquisição de produtos da agricultura familiar comercializados na feira municipal. O Verdinho serve como “moeda” para a compra exclusiva de produtos da agricultura familiar na Feira Municipal da cidade e posteriormente, os agricultores o trocam na agência local do Sicredi.

Demonstrando consciência ecológica e de olho na economia e também na melhoria da qualidade da alimentação da família, Rafael e os irmãos resolveram provocar a vizinhança para aumentar a quantidade de recicláveis arrecadada.

Com essa iniciativa, além de fazerem a parte deles na preservação do meio ambiente, os três irmãos estão despertando nos vizinhos a conscientização pela causa ecológica. Aliado a isso, eles também garantem economia para a família.

“A gente junta o que sobra lá em casa, por exemplo: caixa de leite, garrafas ou outras embalagens, e guarda. Também pedimos para as pessoas que também juntam e entregam pra nós”, completou.
Em menos de um mês, Gabriel, Rafael e Miguel já conseguiram mais de 80 verdinhos, o que, transformado em moeda corrente representa R$ 80, valor utilizado na compra de verduras, legumes e frutas.

“Em vez de jogarem o lixo [que pode ser reciclado] na rua, na floresta, mandam pra gente e a gente já separa e ganha alguma coisa com isso”, enfatizou Rafael.

Apesar da pouca idade, os três garotos já sabem que economizar é bom, mas economizar preservando o meio ambiente, fomentando a agricultura familiar e ainda por cima garantindo uma alimentação mais saudável, é melhor ainda.

 

INFORMES PUBLICITÁRIOS