E-commerce: PMEs faturam mais de R$ 1,3 bilhão em 2020

Aumento de receita em relação a 2019 corresponde 166%, aponta plataforma de e-commerce Nuvemshop
“Moda”, “Acessórios” e “Saúde & Beleza” foram os segmentos que mais venderam;
Sudeste e Sul foram as regiões que mais lucraram;
Mesmo com alto faturamento, ticket médio caiu 12% em 2020, chegando a R$ 213

São Paulo, 6 de janeiro de 2021 - Em 2020, o e-commerce se consolidou como um dos setores que mais movimentaram a economia brasileira em um ano marcado pela crise causada pela pandemia da Covid-19. De acordo com a Nuvemshop, plataforma de e-commerce líder na América Latina, as pequenas e médias empresas (PMEs) brasileiras registraram um faturamento (GMV) superior a R$ 1,3 bilhão em 2020, aumento equivalente a 166% em relação a 2019. Esse resultado é baseado no banco de dados da empresa, que atualmente atende 70 mil lojas online na América Latina.

 

De acordo com a Nuvemshop, outro grande destaque foi o volume de pedidos, que triplicou de 2 milhões em 2019 para 6 milhões este ano. Nesse contexto, “Moda” foi o segmento mais vendido pelas PMEs em 2020, com mais de 2,3 milhões de pedidos, 227% a mais do que 2019. “Acessórios” (+151%), “Saúde & Beleza” (+112%), “Comidas & Bebidas” (+382%) e “Casa & Jardim” (+183%) também se destacaram pelo crescimento na comparação com o ano passado.

 

No levantamento por região, o Sudeste ficou no topo da lista, com faturamento superior a R$545 milhões, 101% maior do que os R$ 271 milhões registrados em 2019, enquanto a região Sul aumentou o valor transacionado em 94%. Em contrapartida, Nordeste (+122%), Norte (+115%) e Centro-Oeste (+103%) foram as regiões que mais aumentaram seu faturamento na comparação entre 2019 e 2020. Isso mostra uma tendência de expansão do e-commerce por todo o Brasil.

 

“Já prevíamos um salto no universo do e-commerce antes mesmo da pandemia, que acelerou a transformação digital do varejo e aumentou a participação das lojas virtuais de 6% para 12% em todas as vendas do setor”, afirma Alejandro Vázquez, CCO e cofundador da Nuvemshop. “Esse cenário fez com que milhares de pessoas que nunca haviam comprado online experimentassem pela primeira vez, criando um novo hábito de consumo que irá se manter pelos próximos anos. E isso aconteceu principalmente em novembro com a Black Friday, quando as lojas superaram R$60 milhões de faturamento em um único mês”.

 

Em janeiro de 2020, cerca de 3 mil consumidores compraram em mais de uma loja hospedada na plataforma da Nuvemshop. Em dezembro, esse número ultrapassou 23 mil pessoas, comprovando esse novo hábito de consumo pela internet, em que não há a necessidade de sair de casa para adquirir produtos. Mesmo com o crescimento no volume de consumidores e no aumento na quantidade de pedidos vendidos em 2020, o ticket médio foi calculado em R$213, registrando uma queda de 12% em comparação com 2019. “Isso demonstra mais uma nova forma de fazer negócios online que deve se manter em 2021: os clientes estão comprando mais com menor preço, mas com uma frequência mais alta”, completa Alejandro.

 

E-commerce é a peça-chave para o varejo no futuro

 

Não há mais dúvida: o varejo está passando por uma grande revolução e o e-commerce é a peça-chave para essa transformação. Especialistas acreditam que a penetração do e-commerce na América Latina pode representar de 20% a 30% do total de vendas no futuro, assim como aconteceu em outros países.

 

“Nós preferimos enxergar isso de outra maneira”, diz Alejandro. “Prevemos uma disrupção massiva no comércio entre os próximos 15 e 20 anos, o que nos deixa confiantes de que, em média, 80% das vendas passarão de alguma forma por ambientes digitais. E nós, como líderes no setor, temos o papel fundamental de reduzir as barreiras do empreendedorismo para potencializar empreendedores, equalizando o universo do e-commerce e garantindo que as PME’s tenham acesso à tecnologia de ponta e à economia de escala que apenas grandes varejistas poderiam sonhar em ter.”

 

Nuvemshop acompanhou o crescimento do setor e recebeu aporte milionário em 2020

 

No início do ano passado, a Nuvemshop já acreditava que teria um forte crescimento com o e-commerce durante o ano. Mas a necessidade do isolamento social acabou potencializando os resultados da empresa ao fazer com que muitos varejistas tivessem que migrar suas lojas do ambiente offline para online. Neste cenário, a empresa atuou como uma facilitadora, especialmente para os pequenos e médios negócios, e atingiu um aumento de 180% no número de lojas ativas utilizando a plataforma. Já o número de colaboradores dobrou, saltando de 150 no início do ano para 350.

 

Este crescimento e a consequente valorização da Nuvemshop foi determinante para a consolidação de uma terceira rodada de investimento, no valor de US$ 30 milhões, liderada pelos fundos Qualcomm e Kaszek Ventures. O valor tem sido aplicado na infraestrutura e no desenvolvimento de novos produtos e serviços para os clientes. O objetivo da Nuvemshop é aprimorar o ecossistema com parceiros importantes de logística, pagamento, gestão e marketing, integrar ainda mais os canais de venda para o lojista, melhorar o serviço de atendimento e ampliar as soluções dentro da plataforma para atender empreendedores cada vez maiores. Além disso, a empresa está expandindo suas operações na América Latina. Atualmente, há escritórios no Brasil, na Argentina e no México. Nos próximos anos, a Nuvemshop chegará à Colômbia, Chile e Peru.

 

“Temos a certeza de que estamos no caminho certo para nos consolidarmos como referência para quem quer começar ou potencializar suas vendas online em toda a região”, finaliza o executivo da Nuvemshop, que em 2020 foi eleita pela terceira vez a “Melhor Plataforma de E-commerce” pela Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

 

Sobre a Nuvemshop:

 

A Nuvemshop é a plataforma de e-commerce líder na América Latina e reconhecida pela ABComm como a “Melhor Plataforma” do Brasil. Com mais de 70 mil lojas ativas, ela integra produtos, pagamentos e envios com diferentes canais de vendas, como Facebook, Instagram, marketplaces e lojas físicas. A plataforma está preparada para que as marcas de todos os tamanhos criem suas lojas com facilidade e segurança. Atualmente, a empresa tem cerca de 350 colaboradores trabalhando atualmente em home office nas cidades de São Paulo, Belo Horizonte, Buenos Aires e Cidade do México. Com recente aporte de U$S 30 milhões, a empresa irá aprimorar o ecossistema da plataforma junto aos parceiros, ampliar a oferta de novos serviços aos clientes e expandir suas operações para outros países da América Latina.

 

INFORMES PUBLICITÁRIOS