Emanuel diz que vai até as últimas consequências por VLT

Mesmo com lei sancionada pelo governador Mauro Mendes trocando oficialmente o modal VLT por BRT, o  prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), disse que vai até as últimas consequencias para impedir que começe a ser feita a troca sem ouvir Cuiabá e a população.

“Eu só quero dizer que não se toma uma decisão dessa magnitude sem ouvir a população, sem consultar a população cuiabana, que é a maior interessada e vai ser impactada. O governo estadual não tem legitimidade, sozinho, de definir o que é melhor para Cuiabá sem ouvir o município, sem consultar a prefeitura, sem ouvir o usuário do transporte coletivo”, disse o prefeito cuiabano.

Emanuel Pinheiro garantiu que vai brigar contra a mudança por não aceitar  que isso seja feito dessa forma.

“Todo mundo sabe que eu sou a favor da modernidade, sustentabilidade, dos novos tempos, do que representa mais conforto para a população. Eu acredito que essa virada de página no transporte coletivo, com mote de desenvolvimento urbano, é o VLT. Mais eu não quero nem entrar em discussão agora se vai ser VLT ou BRT”, argumentou.

Conforme Emanuel Pinheiro, “essa discussão foi lá atrás, há sete anos. Rios de dinheiro foram investidos, a cidade foi rasgada, e o governador era prefeito na época e não tomou nenhuma atitude. Agora, quando ele assume a responsabilidade, muda de uma hora para outra, sem ouvir ninguém, na calada da noite, às vésperas das festas de fim de ano, sem consultar a prefeitura, a população, sem fazer sequer uma audiência pública”.

A declaração do prefeito foi feita ontem em entrevista a Radio CBN.

 

INFORMES PUBLICITÁRIOS