Quando há desequilíbrio na ajuda

Bert Hellinger que é o criador das constelações familiares dizia em que ajudar é uma arte. Mas a gente só pode ajudar quem pede ajuda. Caso contrário a cura não acontece.

Então podemos dizer que antes de ajudar uma pessoa ou se oferecer para ajudá-la temos que temos que nos fazer 3 perguntas:

A pessoa me pediu ajuda? Às vezes vemos alguém enfrentando problemas e tentamos ser salvadores de uma situação oferecendo conselhos e tentando ajudar. Mas aí vem o questionamento. A pessoa quer nossa ajuda? Como podemos tirar alguém do estado atual se ela nem reconhece que precisa de ajuda.

Por isso é imprescindível que a pessoa peçaa sua ajuda com todas as letras. É a condição primária para a cura.

O segundo questionamento é “Você tem condições de atender ao pedido de ajuda?”

Às vezes queremos tanto ajudar, mas não temos condições nem de resolver os nossos problemas. Muitas vezes, dizer não para alguém, é dizer “sim” para nós mesmos. Não tenho como dar o que não tenho para oferecer.

E a terceira condição é “Dar somente aquilo que se pede”.

Você sabia que esse é o equilíbrio que precisamos para oferecer ajuda a alguém. Nem mais, nem menos. Se recebo demais me afasto por não conseguir retribuir.

E ainda há um agravante. Quem não pode retribuir se sente devedor e com isso se afasta por estar em dívida com você e ainda tende a falar mal por não suportar estar devendo.

Temos que ter em mente que muitas vezes ajudando acabamos tirando dessa pessoa, uma responsabilidade que se refere somente a ela, e que faz parte do seu processo de crescimento. Ou seja, às vezes precisamos deixar que a pessoa mesmo se vire e se ajude.

Pense nisso.

Bora para a vida!

Eluise Dorileo é psicóloga, terapeuta familiar e maestria nas novas constelações quânticas.

Email eluisedorileo@hotmail.com 



INFORMES PUBLICITÁRIOS