Fórum de Cuiabá envia 20 mil processos físicos para reciclagem

Ao seguir o preceito de sustentabilidade estabelecido na agenda 2030 da Organização das Nações Unidas, o Fórum da Comarca de Cuiabá triou e enviou para reciclagem 20 mil processos que já estavam aptos para o descarte. A atividade foi realizada na Segunda Vara de Direito Bancário, revelando resultado excelente.

 

De acordo com o juiz-diretor do Fórum, Lídio Modesto Filho, além das vantagens sustentáveis, a medida também irá liberar espaço físico no ambiente do fórum. “ Em um primeiro momento temos que levar em consideração esse momento que vivemos na atualidade. O encaminhamento de processos físicos aptos ao descarte para que sejam reciclados, aponta que estamos no mesmo propósito encampado pela Organização das Nações Unidas. Por outro lado, com a retirada de papéis que não têm mais necessidade de estarem guardados tem-se o ganho do espaço físico, tendo em vista que o nosso arquivo já está lotado.”

 

Lídio explicou ainda que a ação é feita em conjunto com as unidades jurisdicionais. “É muito importante o engajamento dos magistrados nessa ação. A juíza Rita Soraya Tolentino de Barros, titular da Segunda Vara de Direito Bancário, entendendo a grandeza de propósito dessa ação, foi a primeira a fazer esse trabalho de separação, triagem e descarte. Ela se candidatou para essa tarefa que resultou em cerca de 20 mil processos liberando espaço no Arquivo do Fórum da Capital.”

 

A gestora administrativa da área judiciária do Fórum de Cuiabá, Roberta Soares de Morais Muller, ressaltou que o trabalho começou com a busca por uma solução para o Arquivo do Fórum da Capital, que encontra dificuldades para receber novos processos para armazenagem. O recurso buscado, além de eficiente tinha que ser sustentável.

 

A solução foi encontrada na Portaria-Conjunta 371 ao ser observado que 45 dias após a migração para o PJe os autos podem ser descartados. Somado a isso, houve também o descarte dos processos que já haviam passado pelo projeto de gestão arquivística, ou seja, foram submetidos à tabela de temporalidade e já haviam sido intimadas as partes para fazer a retirada de documentos importantes.

 

“Fizemos um ofício circular, deflagramos para todas as varas e fizemos um trabalho bem corpo a corpo de ir nas varas e nos setores. Começamos o trabalho pela Segunda Vara de Direito Bancário e estamos eliminando cerca de 20 mil processos, apenas nessa primeira etapa. O trabalho de triagem foi realizado pela equipe da Central de Arquivos que trabalhou diuturnamente. Também houve participação da juíza Rita Soraya e da equipe da vara. A somatória de esforços resultado nessa quantidade para a eliminação desse montante”, pontuou Roberta.

 

Os processos foram enviados para a reciclagem em parceria com a Polícia Militar que cedeu micro-ônibus para levar o material. Os papéis separados foram entregues à Associação de Catadores de Materiais Recicláveis e reutilizáveis Mato Grosso Sustentável (Asmats) credenciada para dar a destinação correta ao material. A escolha da cooperativa foi realizada por meio de processo seletivo no qual apenas essa associação estava habilitada a atender às documentações exigidas pelo Judiciário.

 

 



INFORMES PUBLICITÁRIOS