Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
MALAI

VariedadesAlunos apresentam peça poética “O catador de estrelas” neste fim de semana em Cuiabá

Postado 2 semanas atrás Fonte: Rose Domingues

Uma jornada sobre propósito, encontros e reencontros, enganações, fantasia e uma pitada de romance. “O catador de estrelas” é a história de um rei que não quer apenas reinar, mas aprender um ofício útil, que leve harmonia e felicidade ao seu povo. Transpirando poesia, os alunos do 8º ano da Escola Livre Porto Cuiabá apresentam o espetáculo de quinta a domingo (07 e 10), às 20h15, no Espaço Cultura Liu Arruda, no Tribunal de Contas do Estado.

 

O diretor e coreógrafo teatral da instituição, Luciano Oliveira, explica que o texto é um conto de fadas de autoria de Henning Köhler, que foi adaptado para o teatro por Solange Rivas e readaptado pela equipe teatral da escola. É um tema importante para ser trabalhado pelos adolescentes nessa faixa etária, porque traz elementos que contribuem para a construção da própria identidade na integração com o mundo que os cercam, e a partir de valores humanos.

 

Na história, o Rei se sente infeliz por achar que sua vida não tem muito sentido, então, por sugestão da rainha, ele tenta aprender, sem sucesso, vários ofícios. Como última tentativa, oferece uma recompensa a quem fosse capaz de lhe ensinar algo que o tornasse útil à população do seu reino, tornando-a feliz. Em resposta a tal desafio, surge o tocador de flauta Cedebeto, que traz uma proposta inusitada: que ele se torne um catador de estrelas.

 

“À cata de estrelas, plantei sonhos e colhi o reflexo do próprio brilho. Então, o rei inicia sua viagem para chegar até as estrelas, realizando metaforicamente uma jornada de em busca de si mesmo e do conhecimento do próximo, como forma de ser feliz e de fazer os outros felizes. Quer ideal mais bonito de vida do que este?”, acrescenta Luciano Oliveira, dizendo que o ser humano tem potencial para transformar o mundo para melhor, quando bem direcionado.

 

Para a aluna Shophie Lerer Barradas, de 13 anos, esta foi uma experiência única de autoconhecimento. “A peça nos levou a perceber quão infinitas são as escolhas que podemos fazer e como depende apenas de nós mesmos sermos o nosso melhor”. O mesmo avaliou o estudante Suriel Ormond Franqueline, 14 anos, que refletiu sobre a importância de saber o próprio valor e de evoluir sempre, independe das dificuldades. “Na essência, somos todos estrelas e podemos brilhar”.

 

Encantada com o resultado das reflexões, Julia Kubiszeski Maekawa, 13 anos, afirma que a peça que abriu seus olhos para o mundo. “Com o teatro, venci o nervosismo para aprender a me expressar de modo que todos pudessem me ver e ouvir claramente. Além disso, é uma história maravilhosa que fala sobre as estrelas que todos contêm em seu interior. O ser humano é uma estrela e trabalhar com essa peça me fez enxergar isso. Brilhem sempre e brilhem muito, sem ofuscar o próximo”.

 

Realizado desde 1995, o teatro é incluso no currículo escolar no 8º e no 3º ano do Ensino Médio da escola, trazendo obras importantes da literatura universal e nacional. Por se tratar de um período em que o jovem está no terceiro setênio (fase dos 14 aos 21 anos), inúmeras mudanças físicas e psicológicas acontecem. Uma delas é a busca por um ideal. Através do teatro, também é possível vivenciar conceitos sobre justiça, verdade, honra, sonhos e liberdade.

 

Algumas peças já encenadas pelos alunos da Escola Livre Porto Cuiabá: Este Ovo é um Galo - Lauro César Muniz (2018); Estado de Sítio - Albert Camus (2017); A Revolução dos Beatos - Dias Gomes (2016); A Pena e a Lei - Ariano Suassuna; O Truão Panfalão - Nikolai Leskov (2015); A Invasão - Dias Gomes (2014), A Comédia dos Erros, de Shakespeare (2014), etc.

 

Serviço

 

Evento: Peça teatral ‘O catador de estrelas’

Data: 07 a 10/11 (quinta a domingo)

Horário: 20h15

Local: Espaço Cultural Liu Arruda, no Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso (TCE), localizado no Centro Político Administrativo, em Cuiabá

Contato: (65) 3028-6625 (na Escola Livre Porto Cuiabá)

 

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.