Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020
UNIMED MARÇO

ArtigosCompromisso com a cultura regional

Postado 7 dias atrás Fonte: Johnny Everson

Cuiabá, nossa amada capital, é terra de uma rica e pulsante no que se refere à cultura. Encantadora com suas cores, sabores, aromas, belezas naturais e com o povo - que tem esperança na vida com arte e fé, com suas rezas, danças e um jeito próprio de ser cuiabano. 

 

Foi neste cenário em que nasci. Bem aqui, no Coxipó da Ponte, local que tem uma ligação muito íntima com a história colonial de Cuiabá.  Herdei dos meus pais um grande amor pela música e a descendência pantaneira. Cresci vendo todas essas manifestações e desde menino me interessava pelas artes e por aprender mais e mais, principalmente sobre música.  

 

Aos nove anos, eu já cantava e tocava violão com uma grande paixão. Na adolescência, cantava e tocava guitarra, me apresentando em gincanas e festivais estudantis, festas e shows. E, com certeza, isso me ajudou a desenvolver e amadurecer, cada vez mais, a minha vocação musical.  

 

No início da minha fase adulta, atuei como artista profissional, lancei discos e DVDs, percorri todo Mato Grosso e o país, levando minha arte e as raízes regionais por onde andei. Mas percebi que precisava ir além: lutar não só pelo meu espaço, mas também por todos os artistas, produtores, fazedores de arte - que tanto nos alegram e encantam com seu talento. Atores da cultura que precisam ter acesso aos mecanismo de incentivo e necessitam de apoio. Além disso, a cultura precisa ser democratizada e se faz necessária a inserção de classes com baixa renda às fontes de cultura. 

 

Ao longo da minha trajetória, fui presidente do Conselho de Cultura do Estado de Mato Grosso; vice-presidente do Fórum Nacional dos Presidentes de Conselho Estaduais de Cultura; fundei a Cordemato - Central das Organizações do Estado; e fui nomeado presidente da Ordem dos Músicos do Brasil em Mato Grosso. O que me fez aproximar ainda mais do povo, da cultura popular, dos quintais de siriri, dos mestres do cururu, de personagens e artistas que já se consolidaram no imaginário popular. Vi de perto quais são os anseios.  

 

Hoje, tenho convicção que a promoção da cultura deve ser tratada como política pública, inserida na perspectiva cidadã. É preciso que tenhamos representes que defendam os interessas da comunidade e que sirvam de interlocutores para instituições culturais em nível local e estadual.  

 

Desde que decidi trilhar esse árduo, mas prazeroso caminho dos artistas dedicados à música, pela primeira vez, me vi tendo a oportunidade de ser esse representante do povo, por meio de uma candidatura a vereador por Cuiabá, pelo PDT – Partido Democrático. 

 

Sei da importante missão de legislar em favor dos cidadãos, priorizando, os direitos e deveres face aos interesses da coletividade. Acredito no trabalho em prol da garantia da segurança, saúde, educação, entre tantas outras necessidades básicas, estruturantes e sociais para toda a população, especialmente, as que estejam em situação de vulnerabilidade social.  

 

Mas, principalmente, defendo a efetivação de leis e programas de fomento à cultura, de pontos de cultura, da promoção de eventos da cultura popular e dos diversos segmentos, da capacitação de profissionais para o setor e de agentes comunitários culturais, dos movimentos de tradição de raiz, e tantos outros. Parte do patrimônio de um povo é sua diversidade cultural e ela precisa ser preservada! 

 

 

Johnny Everson é um artista inquieto. Pai e avô dedicado. Músico, cantor e produtor cultural, é formado em jornalismo, com MBA Executivo em Economia e Gestão - Relações Governamentais (FGV), pós-graduado em Gestão Pública (Escola do Legislativo-ALMT) e em Comunicação Pública (Faculdade Invest de Ciências e Tecnologia). 

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.