Sexta-feira, 15 de Novembro de 2019
MALAI

VariedadesConselho de Educação vai estudar inserção da Astronomia na grade curricular

Postado 5 anos atrás Fonte: Adriana Nascimento

Assim como o universo está em constante movimento também a Associação Matogrossense Amigos das Estrelas (Amae), entidade que tem como meta a popularização da Astronomia em Mato Grosso, também não consegue parar. Depois de lutar pela volta e aprovação na Câmara Federal da entrada do Brasil no acordo para participação no projeto do maior telescópio do mundo; de fomentar junto à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (Secitec) a criação do primeiro Observatório de Mato Grosso e orbitar em 24 unidades escolares com o projeto Planetário nas Escolas, a entidade deu mais um passo em direção ao fortalecimento do estudo astronômico no Estado. Na última semana, o presidente da Amae, Carlos Wagner Ribeiro, foi recebido pelo gestor do Conselho Estadual de Educação (CEE), Carlos Alberto Caetano. Em pauta a busca por uma parceria que leve a astronomia para dentro da sala de aula de forma mais incisiva. Caetano ficou muito empolgado com a ideia e disse que esta é a primeira vez que chega àquela entidade uma demanda desse tipo. “Creio que as pessoas precisam despertar para a questão de forma mais incisiva e essa pode ser uma forma”, avaliou o presidente do CEE. Com as atividades da Amae expostas por Ribeiro, Caetano lembrou que este é um processo de médio e longo prazo. Contudo, é preciso começar. Por isso recomendou que a entidade abra processo na Câmara de Educação Básica do órgão para instigar o debate acerca do estudo astronômico em sala de aula. “Dessa forma a Câmara pode avaliar a viabilidade de a ciência ser inserida na grade ou permear outras matérias”, explicou o presidente do CEE. De acordo ele, com o entrosamento com a Câmara a Amae terá orientações básicas sobre como iniciar esse processo de estudo. “Não basta observar o Planetário para que a inserção na grade exista”, frisou. O Observatório, segundo ele, que está sendo fomentado pela Associação junto ao governo do Estado também pode ser um local com agenda de experiências itinerantes nas escolas até ser finalmente montado. “Todas essas são questões que podem ser pensadas”, lembrou. E a abertura de processo não significa burocracia e sim é importante para que a discussão entre na agenda da Educação da forma que tem que ser e receba o apoio necessário para alavancar a astronomia na área educacional já que o CEE não pode normatizar sem essa discussão. Após protocolar o processo a sugestão do presidente do Conselho é que se crie um Grupo de Estudo da temática no CEE a ser subsidiado pela Amae, que produzirá um parecer para a inclusão do trabalho de inserção no currículo pedagógico. Desse jeito é possível garantir respaldo de ambos os lados para que tudo dê certo. O processo deve ser protocolado no CEE pela Amae até o fim de maio.

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.