Quarta-feira, 08 de Abril de 2020
ENERGISA CORONA

ArtigosContra a crise, cooperação

Postado 5 anos atrás Fonte: JOÃO BOSCO DE ALMEIDA DUARTE

Vivencio o cotidiano cooperativista há 25 anos, desde que passei a integrar o rol de médicos cooperados da Unimed Cuiabá. Nestas mais de duas décadas, pude perceber, claramente, quão grande sabedoria está concentrada em cada um dos sete princípios fundamentais deste sistema. Estabelecidos em 1844, quando da fundação da primeira cooperativa do mundo, na Inglaterra, tais fundamentos permanecem atuais e sua observação proporciona, até os dias de hoje, as condições necessárias para nos mantermos firmes em nossas cooperativas, administrando-as de maneira que resistam às crises e caminhem rumo à perenidade. Faço parte do Conselho de Administração da Unimed Cuiabá, sétima maior singular do sistema Unimed no país. Nossa cooperativa de trabalho médico completa, este ano, quadro décadas de atuação com números vultuosos: 1.300 cooperados e uma carteira de 227 mil clientes. Ao longo destes 40 anos, a gestão passou por mudanças, foi aperfeiçoada e se adaptou às leis vigentes e à conjuntura econômica. Para dar conta desta tarefa que, ressalto, é árdua, temos priorizado, ao longo dos tempos, seguir os princípios chave do cooperativismo, a saber: adesão voluntária e livre dos membros, gestão democrática, participação econômica dos membros, autonomia e independência, educação, formação e informação, intercooperação e interesse pela comunidade. Em tempos como este, de instabilidade econômica, merece destaque a importância da gestão democrática e da intercooperação. Sobre o modelo democrático de gestão, frisamos que ele é fundamental porque, primeiramente, proporciona a todos os membros de uma cooperativa acesso às informações sobre seu presente e prognósticos futuros, fazendo da transparência elemento integrante da rotina da instituição. Além disso, gera condições de se agregar novas ideias e propostas às questões administrativas da cooperativa, reforçando seu quadro de soluções. No que tange à intercooperação, destacamos que o compartilhar de conhecimento com outras singulares gera importantíssimos frutos na gestão, frutos estes que resultam, por diversas vezes, no aprimoramento de condutas, otimização de estruturas e economia de recursos. Estando à frente da Unimed Cuiabá, esta imensa cooperativa que atua, cresce e se aprimora por quatro décadas e tem arrojados projetos para o futuro, afirmo e reafirmo minha convicção sobre o inestimável valor do sistema cooperativista. Seus princípios são alicerces que, quando preservados e devidamente respeitados, resultam em solidez para as cooperativas de todos os portes e ramos de atuação. E Mato Grosso também acredita e confia no cooperativismo. Dados do Sistema OCB/MT mostram que, em 14 anos (de 2000 a 2014), o número de pessoas envolvidas com o cooperativismo no Estado deu o expressivo salto de 638%. Atualmente, o cooperativismo alcança mais de 1,4 milhão de pessoas em Mato Grosso. Unir-se e atuar em prol de um mesmo objetivo tem proporcionado a nós, que fazemos parte da Unimed Cuiabá, condições de oferecer excelência na prestação de serviços, o que nos levou a sermos reconhecidos com o segundo melhor plano de saúde do país. Portanto, neste 4 de julho, Dia Internacional do Cooperativismo, nos unimos em coro a todas as instituições que optaram por trabalhar neste sistema, desejando vida longa ao Cooperativismo, esta vereda que nos proporciona a oportunidade de sustentar nossas famílias trabalhando firmados em princípios dignos e louváveis.

 

JOÃO BOSCO DE ALMEIDA DUARTE é presidente da Unimed Cuiabá.

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.