Segunda-feira, 17 de Junho de 2019

Mato GrossoDefesa Civil interditou creche sete meses antes de desabamento

Postado 5 dias atrás Fonte: ANDRÉ GARCIA

A atuação da Defesa Civil de Cuiabá evitou que uma tragédia fosse registrada com o desabamento de parte da creche filantrópica Nossa Senhora do Carmo, na segunda-feira (11).  A unidade, localizada na Avenida São Sebastião, no Goiabeiras, foi evacuada por determinação do órgão em novembro de 2018, quando engenheiros constataram risco de deslizamento, causado pela construção de um prédio na Avenida 8 de Abril.

Na manhã desta terça-feira (12) a equipe da Defesa Civil realizou nova vistoria às salas de aula, igreja e quadra, constatando que cerca de 90% da estrutura está comprometida. Assim, segundo o capitão Joalino Domingos Ferreira, a adoção de medidas preventivas já não seriam suficientes.

“Quando tivemos conhecimento da situação, no ano passado, determinamos a interrupção imediata das atividades da instituição e, inclusive, auxiliamos na retirada dos móveis, levados para outro endereço. Se houvessem crianças ou funcionários no local, na hora do deslizamento, poderia ter acontecido algo pior”, diz.

Além da unidade, duas residências vizinhas também foram vistoriadas hoje. Contudo, apenas uma das casas foi afetada pelo acidente. “O imóvel fica a cerca de cinco metros da obra e apresenta rachaduras visíveis nas paredes e no chão. Solicitamos então que os moradores deixem o local ainda hoje”, explicou.

Ele afirma ainda que, embora na segunda propriedade avaliada não tenha sido detectado risco, o proprietário foi orientado a manter contato com os profissionais da construtora. “Pedimos que a família comunique qualquer alteração a nós e ao engenheiro da construtora, que está sempre no local”, afirmou o capitão Joalino Ferreira.

O engenheiro da Defesa Civil, José Pedro Zanetti explica que o edifício é erguido em um terreno bastante inclinado e que, por este motivo, a construtora responsável realizou uma série de cortes na terra e levantou estruturas de contenção, para garantir o nivelamento da terra.

O trabalho de monitoramento na região se estenderá pelas próximas semanas e um laudo oficial deve ser emitido na quarta-feira (11). Com relação a realocação da família prejudicada e das atividades da instituição filantrópica, a Defesa Civil informa que os trâmites são feitos diretamente entre os responsáveis e a construtora.

Diante de situações do tipo, os cidadãos podem entrar em contato com a Defesa Civil, por meio do telefone (65) 3623-9633.

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.