Quinta-feira, 02 de Abril de 2020
ENERGISA CORONA

ArtigosFalta um líder

Postado 5 anos atrás Fonte: Gabriel Novis Neves

Ainda há pouco o Brasil era um país rural, não industrializado, dependente economicamente dos países mais desenvolvidos. Enfrentávamos sérios problemas nas áreas da educação, saúde, habitação, mobilidade urbana e obras de infraestrutura. Estávamos em um momento de euforia na década de cinquenta com a industrialização de Vargas e o otimismo do Juscelino quando, em 1958, conquistamos o primeiro título mundial de futebol na Suécia. De lá para cá, o futebol serviu de cortina para esconder todas as nossas insuficiências e inflacionar a nossa autoestima. Éramos os melhores do mundo nesta arte. Nada se comparava às habilidades dos nossos craques. Esquecemos todas as nossas dificuldades e começamos a criar reis e príncipes no futebol. A nossa autoestima aumentou quatro anos após no Chile - repetimos o sucesso da Suécia. Éramos bicampeões do mundo em futebol! Nossa cultura ficou toda na ponta das chuteiras! Encerrando esse ciclo em 1970 com a conquista do tricampeonato no México. O Brasil tornou-se conhecido no mundo como o país do futebol, das mulatas e do carnaval. Nos últimos quarenta e cinco anos, mais dois títulos mundiais foram acrescentados com as vitórias nos Estados Unidos e na Coréia do Sul. Desde então acumulamos uma série de derrotas vexatórias, culminando com os 7X1 para a Alemanha na Copa de 2014, aqui mesmo no Brasil. Agora, no Chile, em campanha irreconhecível, não chegamos nem às quartas de final. Perdemos a hegemonia no futebol e não avançamos em outros setores, como educação, ciência e tecnologia. No momento enfrentamos a maior crise ética da nossa história, com uma economia enfraquecida e o crescimento nacional paralisado. O pior é que não temos mais o amuleto do futebol para nos sustentar diante dos obstáculos administrativos que assolam este país. Resta-nos a violência, criminalidade, corrupção e toda sorte de problemas sociais. Precisamos de um líder para nos tirar do fundo deste poço de humilhação e nos conduzir a uma nação desenvolvida, igualitária e plural.

 

Gabriel Novis Neves é médico

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.