Quinta-feira, 12 de Dezembro de 2019
NOTA CUIABANA

ArtigosMáscaras sociais

Postado 2 semanas atrás Fonte: Caroline Santana

Fazendo uma reflexão pelas redes sociais e encontrando muita gente coadjuvante na vida do outro e esquecendo de ser protagonista de sua história pessoal, lembrei-me de falar sobre as máscaras sociais do cotidiano.

Claro que ao pensar em máscaras já visualizamos se tratar de algo falso e mentiroso. Talvez. Porém, muitas vezes elas são necessárias no ambiente frequentado para ofertar o mínimo de equilíbrio. Sem perder a essência ou mentir para algo ou alguém. Até para si próprio: a pior mentira.

Vamos começar o dia ao levantar da cama e realizar as atividades. Cada um tem um ritual próprio para iniciar bem o dia ou não. Costumo ler a liturgia diária, ver sobre a frequência energética e o que for interessante como melhoria. Ao entrarmos no ônibus, carro de aplicativo, táxi ou ganhar uma carona nos comportamos, mas em nossas cabeças, dançar talvez seria algo extremamente interessante. Mas nada conveniente em uma segunda-feira (tediosa) para alguns, dançar, dentro do ônibus. A alegria incomoda, causa inveja. E não deveria. E sabem, todos deveriam oportunizar essa sensação.

Vestimos a máscara do convívio em sociedade. Daqui a pouco nos chamam de loucos só por fazermos o que nos traz sensação de bem-estar. Pelo menos no meu pensamento estou dançando. Não a música do Aha na chuva, mas uma de aquecimento para tudo que irei presenciar no dia. Atividade simples. Estamos no trabalho, escola ou reunião. Portamos mais uma vez com serenidade ou não. Sem causar ou emitir estresse para ter boa convivência. Mas o estresse chega, o esgotamento mental também. Para isso não existem máscaras. Temos que ser bonzinhos e boazinhas com a humanidade que provavelmente não é com você.

VOCÊ ENTRA EM UMA REDE SOCIAL COM SEUS PROBLEMAS À MÃO. ENXERGA BELEZA, SUCESSO, RIQUEZA E TUDO MAIS QUE DESEJA TER. E SABE QUE TUDO PODE SER FACHADA TAMBÉM. NINGUÉM É TÃO FELIZ ASSIM.

Acreditaria mais se estivesse dançando de fone no ônibus ao se locomover para algum lugar. Enxerga tanta celebridade vivendo o romance dos sonhos, com o boy dos sonhos, o corpo dos sonhos. E não enxerga a si com sua beleza e qualidades incríveis. Eles também vestem máscaras sociais e muitas vezes são pagos para aquilo. Por isso, o patrocinado deveria estar ali. Porém, eu quero patrocinar a alegria da mãe que utiliza 4 ônibus todos os dias, trabalha duro de sol a sol para alimentar seus filhos. E tantas histórias boas que você conhece, admira, vivencia. Só não expõe lá no Instagram para ficar parecido com os demais. Contudo, o interessante é usar as máscaras sociais corretamente (sem causar danos), viver em paz consigo sem culpas ou tormentos e escrever sua própria história onde tem rainha, princesa, revolucionária, juiz, o que você quiser. Até porque quem escreverá é você!

 

Caroline Santana

Caroline Santana é Jornalista especialista em Assessoria de Comunicação e Marketing e colaboradora do portal Na Pauta Online

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.