Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
NOTA CUIABANA

ArtigosO poder das botas femininas

Postado 2 semanas atrás Fonte: Fabricio Magalhāes

Para muitas mulheres, usar botas está acima da elegância, é um estilo de vida

Não é de hoje que as botas femininas causam um frisson em quem usa e a quem observa. Muito se diz a respeito das botas femininas, conversamos com cinco mulheres de cidades, estados e profissões diferentes que tem em seu closet vários modelos de botas, para entendermos melhor o que pensam e o porque de usarem botas.

Luiza Maria Barioni Ghisi (SP), é Sócia Executiva das Consultorias de desenvolvimento humano lghisi gente e Cuca Mundi, e usa botas tanto no inverno como no outono.

Ela possui sete pares de botas sendo 3 de cano curto, couro liso e salto médio, sendo 1 marrom e 1 preta estilo country. 1 cano curto salto altíssimo, couro trabalhado. 2 marrons cano médio e salto baixo, sendo 1 de camurça com franjas e outra de couro liso. 1 cuissarde, modelo francês (altura da coxa) preta de camurça e 1 bota preta sem detalhes com salto baixo e sola de borracha.

Luiza disse que o modelo que ela mais gosta é a cuissarde, porque valoriza qualquer look. Mas que não é uma bota para qualquer ocasião e nem qualquer look.

No inverno mais intenso ela diz gostar das botas de cano médio e salto baixo pela proteção e conforto e que são ótimas para viagens e o dia a dia.  Segundo ela, compõem looks facilmente e sem grandes riscos de erros nos looks.

Perguntada sobre o que é usar botas para ela, Luiza disse:

Usar botas para mim… é um estilo. Os modelos das botas escolhidas definem muito a personalidade da pessoa. Como sou versátil tenho modelos básicos e modelos nada básicos, com saltos altos, altíssimos, médios e baixos, que vão do conforto extremo a ousadia total. Ainda, complementando porque gosto de usar botas, porque posso variar os looks formais das saias lápis e vestidos midi com botas de cano médio e torná-los looks descolados.

Já as botas de salto alto e altíssimo, com jeans ficam perfeitas e tornam o look mais fashionista. Enfim, a ordem é mesclar o baixo com o mais sofisticado gerando looks mais fluídos. Cada pessoa tem seu próprio estilo, que pode ainda mais, com estas customizações gerar um diferencial na identidade, e apresentar um visual mais próprio de cada um. Considero o estilo próprio de cada relevante num cenário de moda tão “pasteurizado” e nichado”.

Caroline Nogueira Santana (GO) é jornalista e é mais uma das mulheres que não abrem mão de usar botas.

Caroline disse que usa botas desde sempre. Gosta muito desse estilo porque para ela não é apenas um modelo de calçado, e sim uma característica marcante e que detona uma personalidade intensa e forte.

Ela possui 3 modelos, e disse que precisa renovar o guarda-roupas. Risos. “Não sou consumista e nem a nossa cidade permite usá-las constantemente por conta do calor excessivo. Mas uso sempre”.

Quanto a preferência por modelos ela disse que não gosta de botas de salto, mesmo estilosas e bonitas não são apropriadas para a rotina intensa a qual ela está acostumada. Então ela prefere usar as que não tem saltos para se locomover tranquilamente.

Questionada sobre o que seria usar botas para ela, Caroline Santana respondeu:

“Os pés nos levam onde queremos. E as botas são as amigas que nos acompanham por esses destinos maravilhosos os quais traçamos no cotidiano. É uma marca, um conforto, uma companhia. Além de ter estilo e leveza”.

Soraia Mendes (RS), Jurista, professora, escritora. Advogada criminalista e Sócia do Soraia Mendes & Advogadas Associadas, é mais uma das mulheres que utilizam botas em seu dia a dia.

Soraia disse que como boa gaúcha as botas sempre foram parte de seu vestuário. Contudo, como vive há 14 anos em Brasília, elas acabaram ficando reservadas para as viagens ou para os poucos dias de maior frio na Capital Federal.

Quanto a quantos pares ela possui, disse que hoje tem poucos. Oito modelos para diversas ocasiões.

Sobre o modelo preferido, Soraia afirmou que elas devem ser discretas nas cores e que gosta da botas de couro, de cano longo (preferencialmente acima do joelho).

Perguntada sobre o que significa usar botas para ela, respondeu:

“Botas, por si, já têm seu charme, exigindo que o restante da roupa seja pensado a partir delas. Elas têm um lugar que não é o de complemento.  Vendo sob esse prisma usar botas mostra autonomia e independência”.

Elizete Lanzoni Alves (SC), Doutora em Direito, Pedagoga e Professora, membro e Diretora Executiva da Academia Catarinense de Letras Jurídicas – ACALEJ, membro do Instituto dos Advogados de Santa Catarina – IASC, não abre mão de utilizar botas.

Ela usa botas o ano todo, inclusive no verão, quando está no sítio.

Elizete tem vários modelos de botas, para as ocasiões formais e informais. Em número, tem  8 pares.

Sua preferência são as botas pretas, cano longo com salto médio, porque podem ser usadas em vários momentos.


Ao responder a pergunta o que é usar botas para ela, respondeu:

“Usar bota para mim é elegância com proteção e segurança”.

Maíra Melo Moreira (GO), Fisioterapeuta, é uma usuário assídua de botas, ela possui 2 modelos uma texana e uma over the knee.

Maíra disse não ter preferência especifica de modelo, uma vez confortável, está disposta a usar qualquer uma desde que seja bota.

Questionada sobre o que é usar botas para ela, Maíra respondeu:

“Usar bota, é sentir poderosa, é chique, elegante e confortável”.

Segundo o site Wikipédia, Bota é um tipo de calçado que apresenta o cano mais alto que o sapato comum. O cano pode variar de altura, de acordo com a destinação da bota, ou em razão da moda.

Normalmente a bota é feita com pele bovina, sola de borracha ou couro e forros em lã, pele ou sintéticos.

Foram criadas para proteção de meia-perna do utilizador, tornando-se rapidamente um artigo de moda, principalmente para mulheres.

Independente de qual modelo ou estilo, as botas realmente, fazem toda a diferença.

 

Fabricio Magalhāes

Jornalista e Diretor do site Na Pauta Online

   

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.