Segunda-feira, 30 de Março de 2020
ENERGISA CORONA

PolíticaServidores do Detran não aceitam proposta do Governo e querem negociação

Postado 5 anos atrás Fonte: ASSESSORIA
Foto: ASSESSORIA

Os servidores do Detran decidiram em assembléia geral no final dessa terça-feira(26) que não aceitam a proposta de apenas 3,11% da reposição do INPC para maio e os outros 3,11% apenas para novembro. Eles querem ainda que o Governo do Estado abra o diálogo com a categoria, com uma agenda para negociação. O presidente do Detran, Rogers Jarbas, pediu uma fala no início da Assembleia, reforçando a proposta apresentada pelo Secretário de Gestão, Julio Modesto, na reunião de segunda. “Sabemos que há arrecadação suficiente, aliás de 1,5 milhão por dia. O impacto mensal para recompor integralmente as perdas inflacionárias do servidores do Detran será de apenas 300 mil. Isso sem contar que o Detran aumentou em 14% todas as suas taxas no mês passado e tem contido gastos até nos materiais de consumo e expediente mais básicos. Os servidores sofrem impacto de todas essas medidas diariamente. O sindicato luta há anos para que o Detran tenha garantida a sua autonomia financeira prevista em lei, já que é uma autarquia. Até o café e o açúcar o Detran doou para a Secretaria de Segurança. E a nossa Entidade está a míngua, sem estrutura, sem material. Nossa categoria tem se empenhado em busca de melhorias para oferecer um atendimento mais técnico, eficiente e de qualidade para a população e não pode ser penalizada em um direito tão básico. Não temos aumento salarial, reivindicamos nosso direito à recomposição da inflação”, afirmou Daiane Renner, presidente do Sinetran. O Sinetran reclama que aceitar o parcelamento do INPC em 3,11% para maio e 3,11% em novembro com o pagamento dos meses perdidos apenas em janeiro fere a Constituição Federal e a Constituição do Estado, que prevê a reposição anual em parcela única. A Assembleia Legislativa seguiu o índice de 8,34% e o poder judiciário não abre mão do 6,23% integral, a Constituição do Estado não permite diferenciação entre os poderes”, reclama Daiane. Como segunda pauta, os servidores decidiram que irão paralisar as atividades em protesto à falta de diálogo e negociação por parte do Governo no dia 29 de maio, aderindo também à Paralisação Nacional contra as terceirizações marcada para a data mesma. A paralisação será geral em todas as unidades do Estado. Também ficou acordada uma nova assembléia para avaliações.

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.