Pesquisa revela comportamento de compra dos consumidores da Capital

Poucos dias faltando para celebrar o Dia dos Pais, neste ano comemorado no dia 8 de agosto, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Cuiabá (CDL Cuiabá) divulga relatório com o resultado do diagnóstico e análise feitos através do seu Núcleo de Inteligência de Mercado, para entender o comportamento de compra dos consumidores da Capital, assim como o seu interesse para essa data. A expectativa da entidade é que o aumento seja acima de 20% com relação ao ano passado.

Os presentes mais procurados, segundo o diagnóstico, são: 38,7% vestuários e acessórios masculinos, 22,6% perfumes, 18% calçados, 5,5% Telefonia/Smartphone, 4,6% Joias/Relógios, 3,2% Artigos Esportivos, 2,8% eletrônicos, 2,3% Alimentos e Bebidas (fast food e restaurantes), 0,5% Livros/livraria e 1,8% outras opções.

Segundo o levantamento ainda, 79,1% dos cuiabanos pretendem comprar um presente para o pai e 20,9% de dois acima. Com relação a quem pretende presentear, o resultado da pesquisa foi 60,3% o pai, 18,1% o sogro, 1,3% o esposo, 20,3% outras pessoas (namorado, avô, filho, mãe).

Entre as faixas de valor de compras, 44,3% dos entrevistados disseram que pretendem gastar de R$ 101,00 a 200,00 em presentes, 37,8% pretendem gastar até 100,00, 17,9% acima de R$ 200,00, resultando em um ticket médio de R$ 196,10.

O perfil de entrevistados foi dividido entre o público feminino (52,2%) e público masculino (47,8%). Ao total foram realizadas durante a primeira quinzena de julho, 205 entrevistas. A idade média dos respondentes foi de 34 anos, sendo a maioria 49,3%, casados com filhos.

Dos participantes, 43,4% são funcionários de empresas privadas, 42,4% prestadores de Serviço/Autônomo/Profissional Liberal, 5,4%  funcionário público e 2,9% Comerciante, Empresário, 2% aposentados e pensionistas. A escolaridade dos respondentes foi dividida em 63,9% Ensino Médio, 22,9% Ensino Superior, 5,9% Ensino Fundamental e 4,4% Pós-graduação.

Com relação ao local de compras, 38,9% dos entrevistados disseram que irão comprar nas lojas localizadas no Centro da cidade (predominado pela geração X, 42 a 56 anos), 25,6% nas lojas próximas do bairro onde mora (geração Y, 27 a 41 anos), 22,7% nos shoppings centers (geração Z, 18 a 26 anos), 7,4% internet/sites on-line, 3,9% através das mídias sociais (Instagram, WhatsApp e Facebook) e 1,5% vendedores avulsos (porta a porta ou conhecidos).

Sobre o que desperta o interesse na compra, 42,7% disseram ser o desejo do pai, 27,5% qualidade do produto/serviço e marca, 15,2% propaganda e promoção da loja, 5,4% condições facilitadas de pagamento, 3,4% atendimento cordial e educado dos vendedores, 2,5% inovação e tecnologia do produto/serviço, 2% preço final da compra e 1,5% rapidez e processo atendimento.

Quando analisado com o ano de 2020, 38,6% responderam que o gasto será igual e 22,7% disseram que será maior que o ano passado.  A forma de pagamento mais procurada será à vista, respondido por 74,2% dos entrevistados e parcelado, 24,9%. A maioria disse que irá pagar com dinheiro (39,9%), cartão de débito (26,9%), cartão de crédito (23,1%), crediário (7,2%), pix/transferência (1,4%) e boleto (1,4%).

Outro dado apurado na pesquisa foi com relação ao tempo pela procura do presente. Como a maioria dos brasileiros, 75,1% ainda não começou a pesquisa, 22% já começou a procurar e 2,9% já comprou. Os que ainda não pesquisaram, 56,9% pretendem fazer isso na véspera ou no dia, 18,8% 7 dias antes, 14,4% 15 dias antes e 9,9% a partir de agora.

A respeito dos locais onde os consumidores costumam fazer essas pesquisas antes de comprar, foi apurado que 78,2% preferem ir pessoalmente à loja, 9,2% em site de busca, 6,8% sites e-commerce, 5,3% redes sociais e 0,5% comparador de preços.

Os entrevistados disseram procurar o presente pelo preço (42,2%), promoções (30,1%), atendimento (14,1%), facilidade na hora da compra (5,3%), facilidade de pagamento (3,4%), valor do frete (2,4%) e brindes (1,5%).

"Depois de um ano em que as vendas das datas comemorativas sofreram diretamente com o contexto da pandemia e as incertezas em relação ao funcionamento dos negócios, o Dia dos Pais de 2021 será diferente, com movimento maior e um crescimento de vendas em relação ao baixo patamar de 2020, com expectativa de voltar aos patamares de 2019", avaliou o superintendente da CDL Cuiabá, Fábio Granja.

 

 

FOTO: DIVULGAÇÃO



ENQUETE

Você pretende se vacinar?
PARCIAL