Prefeitura de Cuiabá garante que não utilizou nenhum lote de vacina vencida

Por meio de uma Nota, a prefeitura de Cuiabá esclarece que em relação à suposta aplicação de doses vencidas da Astrazeneca – como veiculado na tarde de hoje por alguns veículos de imprensa –ninguém em Cuiabá recebeu aplicação de vacina vencida.

Uma alteração no Sistema do Plano Nacional de Imunização (PNI) pode ter causado o erro. O lote 4120Z005, apontado pelo Ministério da Saúde, como usado após o vencimento, chegou a Cuiabá em 25/01/21 e, de acordo com a resolução da Comissão Intergestores Bipartite (CIB), foi destinado inteiramente para a primeira dose.

Na nota, a coordenação da campanha de imunização frisa que fez o rastreamento e constatou que as vacinas deste lote foram totalmente utilizadas em fevereiro. “Foi dado baixa no lote em 10/02/21, portanto, muito tempo antes do vencimento”.

Por meio do levantamento dos dados, a coordenação da campanha constatou ainda que as pessoas que tomaram a Astrazeneca, após o dia 14 de abril, foram para segunda dose. Essas aplicações aconteceram em 21/04, 29/04 e 03/05. Os lotes de Astrazeneca aplicados nestes dias foram o 213VCD006W, com vencimento em 06/09/21 e 213VCD004ZVA, com vencimento em 02/09/21.

De acordo com o noticiado pela Folha de São Paulo, nesta tarde, pelo menos 26 mil doses vencidas da vacina AstraZeneca foram aplicadas em diversos postos de saúde do país, o que compromete sua proteção contra a Covid-19. Os dados constam de registros oficiais do Ministério da Saúde.

Até o dia 19 de junho, os imunizantes com o prazo de validade expirado haviam sido utilizados em 1.532 municípios brasileiros.

A campeã no uso de vacinas vencidas é Maringá, reduto eleitoral de Ricardo Barros (PP), líder do governo Bolsonaro na Câmara dos Deputados. A cidade paranaense vacinou 3.536 pessoas com o produto da AstraZeneca fora da validade (primeira dose em todos os casos).

Depois aparecem Belém (PA), com 2.673, São Paulo (SP), com 996, Nilópolis (RJ), com 852, e Salvador (BA), com 824. As demais cidades aplicaram menos de 700 vacinas vencidas, sendo que a maioria não passou de dez doses.

Além disso, outras 114 mil doses da vacina AstraZeneca que foram distribuídas a estados e municípios dentro do prazo de validade já expiraram. Não está claro se foram descartadas ou se continuam sendo aplicadas.

AstraZeneca é a vacina mais usada no Brasil. Ela responde por 57% das doses aplicadas neste ano. A imensa maioria foi utilizada de acordo com as orientações do fabricante.

Todos os imunizantes expirados integram oito lotes da AstraZeneca importados ou adquiridos por consórcio. Um deles passou da validade no dia 29 de março. O que venceu há menos tempo estava válido até 4 de junho.

O lote pode ser conferido na carteira individual de vacinação. Quem tiver recebido uma dose de um desses oito lotes de AstraZeneca após a data de validade (veja gráfico) deve procurar uma unidade de saúde para orientações e acompanhamento.

Além disso, de acordo com o Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra Covid-19, quem tomou imunizante vencido precisa se revacinar pelo menos 28 dias depois de ter recebido a dose administrada equivocadamente. Na prática, é como se a pessoa não tivesse se vacinado.

O plano define, também, que cada indivíduo vacinado seja identificado com o lote da imunização recebida, o produtor da vacina e a dose aplicada. Isso é feito justamente para acompanhamento do Ministério da Saúde e eventual identificação de erros vacinais. (Com Folha de São Paulo)

 

 

FOTO: PREFEITURA DE CUIABÁ



ENQUETE

Você pretende se vacinar?
PARCIAL