Evento celebra ciência em defesa da cidadania e da vida

Mesmo em tempos de pandemia, a edição do V Minicircuito de Astronomia “Descobrindo o céu de Cuiabá”, ocorre este ano. Os organizadores fincaram pé nas estrelas para fazer com que a edição aconteça neste abril de 2021 em novo formato. Esta, segundo informa o coordenador, professor doutor do Instituto de Física da UFMT, Denilton Gaio, traz um formato adaptado ao momento em que o planeta Terra vive e traz, como novidades, além do fato de ser online, a oportunidade da participação de nomes nacionais importantes no contexto da ciência astronômica e ainda acontecer com uma maior duração do que as edições anteriores que ocorriam em um único dia (8 de abril – Dia Mundial da Astronomia e aniversário de Cuiabá). A edição acontecerá, dessa vez, entre os dias 8 e 10 de abril, das 7h30 às 18h com palestras e oficinas e das 18 às 20h com observação do céu desde que as condições favoreçam à atividade.

Vale destacar que toda a programação é gratuita. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas pelo link https://fisica.ufmt.br/eventoastronomia . A população poderá ter acesso sem inscrição pelo Youtube e os inscritos receberão certificados. Apoiam esta iniciativa da UFMT via Instituto de Física, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Fisicarte, em parceria com a Agência de Notícias Space News MT e o Rotary Club de Cuiabá.

“O tema deste ano, diante de todo este contexto, não poderia ser outro: ‘A ciência em defesa da Cidadania e da Vida’. A escolha do tema se deve à necessidade de resistirmos às ameaças que a Universidade tem sofrido e a negação de fatos comprovadamente científicos. É muito preocupante que o número de óbitos no Brasil seja um dos maiores do mundo e que isso poderia ter sido evitado. Se em anos anteriores considerávamos importante a popularização da ciência, neste, popularizar o conhecimento é um ato de resistência contra a intolerância e em defesa da vida” alegou Gaio.

A realização continua a cargo dos docentes e discentes do Instituto de Física da UFMT e o público-alvo é composto por estudantes, participantes de clubes de astronomia e interessados no tema em geral. O que corrobora com o pensamento dos organizadores é que, somente o conhecimento traz o poder de combater as mazelas da humanidade de forma racional e progressista. É por isso que, neste ano também vai ser aberto espaço para uma palestra sobre o maior educador brasileiro: Paulo Freire, bem como palestra acerca da questão da mulher na área científica e do quanto é necessário esse olhar feminino sobre a Covid-19.

Apesar de algumas palestras não focarem diretamente no tema astronomia o evento continua tendo como objetivo principal a popularização desta ciência. Dessa forma visam permitir que as pessoas não apenas redescubram a beleza do céu noturno, mas entendam a importância de seu estudo. Outro ponto é incentivar o despertar de novos cientistas desde a mais tenra idade que compreendam a necessidade da ciência no desenvolvimento tecnológico do país e na melhoria da qualidade de vida da população.

Palestras nacionais - Sendo assim , o Minicircuito traz este ano palestras de nomes nacionais, tais como: a Professora Doutora Daniela Lazzaro – Pesquisadora do Observatório Nacional e Vice-Presidente da União Astronômica Nacional, que traz o tema “Objetos potencialmente perigosos para a Terra e o projeto IMPACTON”; o Professor Doutor Roberto Boczko do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, que irá falar sobre a “Astronomia e os Calendários”; a palestrante Professora Doutora Nadja Bernardes, que fala sobre “Mulheres na Ciência e a Pandemia”; o Professor Doutor Germano Afonso e a Mestre Thaisa Nadal, que proferem a palestra “A Astronomia em tempos de Pandemia” e; as palestrantes Doutoras: Iramaia Cabral de Paulo e Vanessa Girotto, com “Um século de Paulo Freire - Educação em Defesa da Cidadania e da Vida”. A palestra de encerramento fica a cargo do Professor Doutor Augusto Damineli, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP, que em 2009 foi o coordenador nacional do Ano Internacional da Astronomia e ao evento traz a palestra “Eta Carinae: para além do charme e dos mistérios”.

Palestras de colaboradores locais - A programação conta ainda com palestras locais. Os temas destas serão: “Utilização de inteligência Artificial na busca por exoplanetas e vida extraterrestre”, cujos palestrantes são os Professores doutores Marcelo Marchiori e Márcio Cornélio; “Espaço: Do macro ao micro na perspectiva do ponto de vista de um observador”, do palestrante Prof. Esp. Jean Carlos Soares de Oliveira; “Domo de Araguainha”, da Professora Mestre, Gleice Reis; e ainda: o palestrante Professor Mestre. Alexandre Magno de Amorim Madureira com “A Astrofotografia como ferramenta auxiliar no Ensino/Aprendizagem do Ensino Fundamental e Médio”.

Também: “Astronomia, Proteção Social e Defesa Civil”, com o palestrante coronel Paulo Wolkmer; “Eclipse Solar de Tales uma volta ao passado com o Stellarium”, com os palestrantes: Adrian Henrique dos Santos Fonseca e Gustavo Augusto dos Santos Gomes; “Experiência de Ensino-Aprendizagem de astronomia no Pantanal de Mato Grosso”, com o palestrante Flávio Aparecido. Os palestrantes, Admilson "Dhimy" Jr e Bruno Felipe, com “Interestelar e a Física de Buracos Negros” e; o palestrante Professor Doutor. Eduardo Curvo que traz o tema “Exoplanetas: da Terra à Tatooine”.

Oficinas – Para não deixar ninguém de fora das atividades é que serão realizadas três oficinas para crianças entre os 4 e 11 anos. A primeira é a de “Foguete de Papel”, que consiste na fabricação de um foguete de papel bem divertido, onde serão introduzidos conceitos de Física no lançamento de foguetes, despertando a curiosidade dos participantes. A ideia é estimular a curiosidade científica com esta brincadeira. Outra oficina é a “Órbitas Planetárias com Balão”, onde, utilizando um balão e uma moeda de 10 centavos, brinca-se com órbitas circulares e elípticas de forma divertida e emitindo sons muito curiosos. O objetivo é introduzir os conceitos de órbitas planetárias e estimular a curiosidade sobre astronomia. A terceira e última oficina é “Não é Mágica, é Ciência!”, ministrada pela atriz e física, Juliana Graziela. Nesta atividade juntam-se arte e ciência onde a ministrante, vestida de cientista realiza artisticamente experiências científicas, às quais as crianças e toda a família poderão construir um laboratório com materiais que possuem em casa, recicláveis e de baixo custo, se divertindo e aprendendo, assim dando asas à imaginação, à curiosidade e à diversão. 



INFORMES PUBLICITÁRIOS