Sexta-feira, 18 de Setembro de 2020
ENERGISA CORONA

PolíticaSindimed aciona justiça para que prefeitura de VG dê condições de trabalho para médicos no combate ao coronavírus

Postado 6 meses atrás Fonte: ASSESSORIA

Assim como em Cuiabá, o Sindicato dos Médicos de Mato Grosso(Sindimed) recebeu várias denuncias da rede pública municipal de Várzea Grande referente a falta de materiais e EPIs para o combate do coronavírus.

 

“Propusemos uma  ação civil pública por condições de trabalho adequadas ao combate ao coronavirus, pedindo que a justiça do trabalho concedesse uma liminar em sede de tutela de urgência, para que a prefeitura de Várzea Grande e de forma solidária a Prefeita Lucimar Sacre Campos atenda  às recomendações feitas pelo Ministério Público do Trabalho oferecendo condições para os médicos no combate ao coronavírus”, informou o assessor jurídico do Sindimed  Bruno Álvares do escritório Vaucher e Alvares.

 

De acordo com a recomendação N.º 15039.2020 do MPT,  no tange às condições de trabalho, a prefeitura tem que fornecer  máscaras cirúrgicas para os sintomáticos respiratórios; álcool 70%; papel toalha; água e sabão; EPI individual para o trabalhador de saúde (máscara N95 ou similar); ambulâncias disponíveis para o transporte do casos graves e referência definida e devidamente preparada para receber esses pacientes; o oxímetro para verificar a saturação; scalps; equipos e; soro fisiológico para estabilização do paciente; nos locais de referência respiradores com sistema fechado, além de providenciar locais próprios e adequados para os o isolamento e a quarentena de pacientes e servidores, nos termos do que determina a Lei nº 13.979/20, regulamentada pela Portaria nº 356/20, que estabelece medidas de controle de combate ao novo vírus e solicitar que os postos de saúde somente abram as portas a população se houverem EPI´s disponíveis.

 

O Sindimed está muito preocupado com o contágio dos profissionais de saúde. “Se um médico trabalha sem condições com EPIs ele se torna um potencial vetor e pode transmitir para a população. Um médico a menos nessa situação de pandemia já que terá que ficar pelo menos 15 dias em quarentena irá ser mais um prejuízo para o combate ao coronavírus”, alerta o médico Adeíldo Lucena, diretor de comunicação do Sindimed.

Comentários

Os comentários não representam a opnião do jornal; a responsabilidade é do autor da menasgem.